e-Learning - Aprender Email Gestão Documental Galeria Fotográfica
GARE - Gestão de Atividades Questionários GIAE - Cartão Eletrónico Portal das Bibliotecas

Neste dia

O Alves

Neste dia

EB Álvaro Guerra

Patrono

EB1AG_Patrono.pngEscritor, diplomata, jornalista e político, Álvaro Guerra nasceu em Vila Franca de Xira a 19 de Outubro de 1936, no seio de uma família tradicional da Vila.

Concluídos os estudos secundário, frequentou a Faculdade de direito de Lisboa, prosseguindo depois os seus estudos em Paris, cidade onde viria a publicar, no final dos anos sessenta, as traduções dos seus dois primeiros livros: " A Lebre" e " Os Mastins".

Regressado a Portugal, foi um dos mais destacados redatores do jornal "República", a partir do qual viria a estabelecer, enquanto civil, a ligação com os oficiais do Movimento dos Forças Armadas. Essa ligação envolveu cerca de duas dezenas de civis que apoiaram os militares revoltosos.

Depois do 25 de Abril, integrou a direcção da RTP e integrou a equipa de assessores do Presidente Ramalho Eanes, em Belém, iniciando, em seguida, uma brilhante carreira diplomática que o levou a ocupar a posto de embaixador em Belgrado, Nova Deli, Kinshasa, Estrasburgo e Estocolmo, tendo-se sempre destacado pela sua competência profissional e capacidade de representar Portugal ao maior alto nível cultural e diplomático. Regressou a Vila Franca de Xira, definitivamente, em princípios de 2002,aqui vindo a falecer em Abril do mesmo ano.

Iniciada em meados dos anos sessenta, a sua obra como ficcionista e cronista, integra quase duas dezenas de títulos, de que se destaca a Trilogia dos Cafés (" Café Central", "Café República" e "Café 25 de Abril"); "Razões do Coração", "Eurotauromaquias" e "No Jardim das Paixões Extintas", romance já publicado postumamente e que tem como pano de fundo a Guerra Civil de Espanha. Entre os prémios que lhe foram atribuídos conta-se o Grande Premio de Crónica da Associação Portuguesa de Escritores.

Álvaro Guerra foi um dos fundadores do PS, em Abril de 1973, tendo-se afastado daquele partido, embora se tenha sempre mantido nu sua esfera político-ideológica.

Ao diplomata e escritor, foram atribuídas as mais altas condecorações portuguesas, com destaque para a Ordem da Liberdade.